sábado, 4 de outubro de 2008

Eu como sim, e vou vivendo

Não sou magrinha. Sempre joguei no time das "fofas", com meu rosto redondo e meu corpo tipo violoncelo. Quer saber? Sou muito feliz assim. Como fora, como bobagem, como chocolate sem o famoso sentimento de culpa depois. A verdade é que eu gosto de comer. E não sou masoquista pra me privar de uma coisa que eu gosto.
Claro que às vezes encano, digo que vou fazer dieta, etc. Sou humana. E vai dizer que as magrinhas também não se chateiam com o próprio corpo? "Ah, meu Deus, sou uma vareta. Minhas pernas são tão finas. Ah, meu Deus, não tenho corpo". Normal, normal. O pior é quando ela não é gorda e conseguem encucar a pobre a tal ponto que ela começa a sofrer pra emagrecer mais. Esse tipo de coisas me penaliza. Essa história do peso é uma loucura.
A culpa é de alguém (quem?) que inventou que uma pessoa com quilos a mais, que uma pessoa de busto pequeno, que uma pessoa de pernas finas ou grossas demais não pode ser feliz. E pode. Agradeço a comida que tenho à mesa e sei que sou privilegiada por sequer ter o que comer. Eu como sim, e vou vivendo. Tem gente que não come e está morrendo.

Marcadores:

1 Comentários:

Às 4 de novembro de 2008 08:01 , Anonymous Anônimo disse...

oooooooi,vi que esse post foi pra capricho e adorei ler :) sucesso :*

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial