domingo, 18 de maio de 2008

Mal necessário

Durante muito tempo, eu fui contra as cotas. Mas depois passei a enxergar o problema por outro ângulo. Eu tenho essa mania de tentar me colocar no lugar dos outros.
Cotas são injustas? São. Imagina você deixar de entrar na sua faculdade, depois de se ralar de estudar o ano inteiro porque alguém que fez a metade da sua pontuação ficou com sua vaga! Mas, por bem ou por mal, é o único de jeito de alunos da escola pública concorrerem com os de particular. Triste, porém verdadeiro.
"Ah, deviam melhorar a escola pública então, não criar cotas!"
Também acho, cotas são tapar o sol com a peneira. Só que não melhoram, então o que se há de fazer? Sim, são menos vagas, sim, eu tenho raiva disso, mas o sol brilha para todos. Ou vai me dizer que se você estudasse numa escola pública não ia suspirar de alívio ao saber da existência das cotas?

Marcadores:

2 Comentários:

Às 18 de maio de 2008 15:41 , Blogger Robbie Jacks disse...

Hum, eu estudei em escola pública, poderia me declarar negra e pobre e entrar com cotas, só que preferi estudar. Orgulho? Acho que não. O fato é que sempre preferi fazer o certo, e não acho que tomar a vaga de quem está ralando para entrar seja o certo...

 
Às 25 de maio de 2008 19:07 , Blogger Silier Borges disse...

Acredito que houve uma má interpretação das cotas. Esta medida não visa suprir a carência da rede pública de ensino na demanda de estudantes de baixa renda e escolaridade nas universidades públicas, mas principalmente, almeja funcionar como mecanismo de reparação etnico social, as chamadas ações afirmativas, que relegaram os negros à marginalização da educação, da cultura, de poder e de credo.
Uniformizar o acesso à educação é proposta básica das ações afirmativas que, a curto prazo, as cotas coerentemente conseguem cumprir. Obviamente que, a longo prazo e paralelamente, deve-se investir no aperfeiçoamento da educação pública, atualmente em estado de defazagem.

Convenhamos. Cotas não é filantropia aos carentes, mas mecanismo prático de reparação social.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial